EUA alertam Rússia sobre presença militar na Venezuela

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. (Foto: Divulgação/Casa Branca)

São Paulo – Os Estados Unidos condenam a presença de militares russos na Venezuela, disse o assessor de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, apelando para que outras nações não implementem recursos militares no país latino-americano.

“O governo condena o uso continuado de militares estrangeiros por Nicolas
Maduro em sua tentativa de permanecer no poder, incluindo a introdução de militares e equipamentos russos na Venezuela”, afirmou Bolton, em comunicado.

Segundo ele, Maduro usa esse apoio militar para oprimir a população, perpetuar a crise econômica e pôr em perigo a estabilidade regional. “Recomendamos fortemente os atores externos do Hemisfério Ocidental contra a implantação de recursos militares na Venezuela, ou em outras partes do Hemisfério, com a intenção de estabelecer ou expandir operações militares”, disse.

“Consideraremos tais ações provocativas como uma ameaça direta à paz e segurança internacionais na região”, afirmou Bolton, reiterando que os Estados Unidos vão continuar defendendo seus interesses e de seus aliados, com base no respeito pela liberdade, segurança e Estado de Direito.

Esta semana, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que a Rússia tem que sair da Venezuela, sem dar mais detalhes. Em resposta, Moscou disse suas forças militares ficarão na Venezuela pelo tempo necessário, como parte de um acordo bilateral legítimo sobre defesa.

A Rússia é um dos países, assim como a China, que reconhece o presidente venezuelano Nicolás Maduro como o líder legítimo do país. Em janeiro, o líder da oposição da Venezuela, Juan Guaidó, se autoproclamou presidente interino e foi reconhecido imediatamente pelos Estados Unidos e seus aliados, somando mais de 50 países.