Conselheiros do governo da Alemanha reduzem projeção econômica

POR: CRISTIANA EUCLYDES / AGÊNCIA CMA


(FreeImages.com/Priit Kallas)

São Paulo – O Conselho de Especialistas Econômicos da Alemanha, um grupo que aconselha o governo do país, rebaixou suas projeções para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) alemão para este ano, e criticou as medidas adotadas pelo Banco Central Europeu (BCE).

O grupo cortou sua previsão de crescimento para 2019 de 1,8% para 0,8%, e prevê alta de 1,7% em 2020, após crescimento de 1,4% em 2018. Segundo o documento, o ritmo de expansão da economia alemã diminuiu sensivelmente. “Isso foi parcialmente causado por problemas temporários de produção nas indústrias automotiva e química”.

Já a demanda de exportação está significativamente mais fraca e, do lado da oferta, há restrições de capacidade e escassez de mão de obra em muitos setores. “O boom da economia alemã enfraqueceu. No entanto, dada a robusta economia doméstica, atualmente não é de se esperar uma recessão”, disse o
presidente do grupo, Christoph Schmidt.

Segundo os economistas, os riscos à economia são muito altos. “Além do resultado incerto das negociações do Brexit, o conflito comercial não resolvido entre os Estados Unidos, a Europa e a China, bem como o perigo de uma desaceleração mais forte do que o esperado da economia chinesa, contribuem particularmente para o alto nível de risco”.

Além disso, o grupo criticou o BCE por demorara a reduzir suas medidas de estímulo monetário. “Nos últimos dois anos, o BCE poderia ter respondido ao aumento do crescimento econômico e ao fechamento do hiato da produção com um aperto cauteloso da política monetária, sem comprometer a recuperação”. Com isso, disseram os economistas, o BCE teria, como o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), mais espaço para usar recursos de alívio monetário.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com