BCE rebaixa projeção para PIB da eurozona em 2018 e 2019

13/09/2018 14:59:08

Por: Pâmela Reis / Agência CMA

Mario Draghi

Presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi. (Foto: Divulgação/BCE)

São Paulo – O Banco Central Europeu (BCE) revisou para baixo a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro neste ano e no próximo, citando a contribuição mais fraca da demanda internacional, em meio à onda de medidas protecionistas.

O banco prevê crescimento de 2,0% para a eurozona em 2018, 1,8% em 2019 e 1,7% em 2020. As projeções anteriores, divulgadas em junho, indicavam alta de 2,1% para este ano e de 1,9% para o próximo, mas mantinha os 1,7% para 2020.

“Os riscos em torno das projeções para a zona do euro estão em geral equilibrados”, disse Draghi em coletiva de imprensa, após a decisão de política monetária. “Ao mesmo tempo, riscos relacionados ao crescente protecionismo, às vulnerabilidades nos mercados emergentes e à volatilidade no mercado financeiro ganharam mais proeminência recentemente”.

Apesar destes riscos externos, Draghi destacou que a economia da zona do euro continua crescendo de forma bem distribuída, uma vez que a política monetária apoia a demanda doméstica, e a inflação está acelerando de forma gradual. O BCE manteve as projeções para inflação inalteradas em relação a junho, prevendo taxa de 1,7% para este ano e para os dois próximos.

“A força da economia continua a dar suporte à nossa confiança de que a convergência sustentada da inflação em direção à meta vai continuar mesmo após a redução gradual das compras de ativos”, disse Draghi. O BCE deve encerrar em dezembro seu programa de compras mensais de títulos públicos e privados.

“Um amplo grau de acomodação monetária ainda é necessário para manter a convergência sustentada da inflação para níveis abaixo, mas próximos, de 2% no médio prazo”, acrescentou Draghi. Ele reiterou que o banco está pronto a ajustar todos seus instrumentos de política monetária, caso necessário, para garantir que a inflação atinja a meta.

Deixar um comentário