Ações caem no início da tarde; dólar e juros sobem

14/11/2017 13:57:44

Por: Redação / Agência CMA

São Paulo – O Ibovespa opera em queda de 0,26% no início da tarde, aos 72.285,21 pontos, pressionado pelo declínio das ações da Petrobras (PETR3 -4,91%; PETR4 -4,02%), cujo lucro do terceiro trimestre ficou abaixo do previsto pelo mercado. O declínio do índice é limitado pelo avanço das ações da JBS (JBSS3 +5,25%), cujos resultados do terceiro trimestre ficaram acima do previsto.

A Petrobras lucrou R$ 266 milhões no terceiro trimestre, após um prejuízo de R$ 16,4 bilhões no mesmo período do ano passado. O resultado ficou bem abaixo da estimativa do mercado, que esperava um lucro de R$ 2,4 bilhões, e melhorou principalmente porque neste ano a empresa teve perdas significativamente menores com a redução no valor recuperável de ativos (impairment).

No caso da JBS, a empresa lucrou R$ 323 milhões no terceiro trimestre, queda de 63,6% ante o mesmo trimestre de 2016, mas o resultado foi afetado pela adesão da companhia ao Programa Especial de Regularização Tributária (Pert). Desconsiderando o impacto, o lucro teria sido de R$ 1,9 bilhão, acima da média das projeções de analistas coletada pela Agência CMA, de R$ 1,426 bilhão.

Dados que mostraram uma inflação maior que a esperada ao produtor dos Estados Unidos também contribuíram para empurrar os mercados de ações aqui e do exterior para baixo, com investidores interpretando a informação como um sinal de que o banco central norte-americano pode elevar os juros mais rapidamente que o previsto.

O Índice de Preços ao Produtor dos Estados Unidos (PPI, na sigla em inglês) subiu 0,4% em outubro na comparação mensal, mesmo avanço observado em setembro. Analistas, porém, previam alta menos intensa, de 0,2%.

No mercado de câmbio, o dólar comercial subia 0,12% no pregão à vista, a R$ 3,3020 para a venda, enquanto o contrato futuro da moeda avançava 0,63%, a R$ 3,3070.

Entre os juros, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 caía para 7,25%, de 7,27% no ajuste de ontem, enquanto a taxa para janeiro de 2020 mantinha-se estável em 8,58%. O DI para janeiro de 2021 tinha taxa de 9,45%, de 9,44%, na mesma comparação.

Edição: Gustavo Nicoletta (g.nicoletta@cma.com.br)

Deixar um comentário