Acionistas da Eletrobras aprovam venda das distribuidoras

09/02/2018 10:16:00

Por: Wilian Miron / Agência CMA

Rede de alta tensão. Torres de transmissão e distribuição de energia elétrica. (Marcos Santos / USP Imagens)

São Paulo – Os acionistas da Eletrobras aprovaram a venda das seis distribuidoras de energia que a companhia mantém nas regiões Norte e Nordeste do país. Ficou decidido também que a holding estatal assumirá R$ 11 bilhões em dívidas das distribuidoras e outros passivos relacionados ao uso de verbas de fundos setoriais, em aproximadamente R$ 8 bilhões, o que pode elevar o passivo a R$ 19,7 bilhões.

Estes valores, relacionados à Conta de Consumo de Combustíveis (CCC) e Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) ainda estão em discussão com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e na esfera judicial. A Eletrobras alega ter valores a receber, e o órgão regulador alega que a empresa é devedora dos fundos.

A aprovação da venda das subsidiárias no setor de distribuição foi possível devido à posição do governo, favorável à proposta. Dono de 61% do capital votante, a União, através do BNDES e do Tesouro Nacional selou o destino das seis empresas, que deverão ser leiloadas a um preço simbólico de R$ 50 mil. Os vencedores do leilão, contudo, deverão assumir o compromisso de investir R$ 7,8 bilhões, sendo que 30% deste valor terá que ser aportado no momento da compra.

A autorização para a venda das distribuidoras não seria aprovada caso o governo não participasse da assembleia, fazendo valer sua posição majoritária. De acordo com o mapa final da votação, a aprovação da venda das distribuidoras teve apoio dos detentores de aproximadamente 600 milhões de ações ordinárias da Eletrobras.

Este número não seria alcançado sem a participação da União, que possui direta e indiretamente mais de 800 milhões das 1,1 bilhão de ações ordinárias da Eletrobras. Os acionistas que votaram antecipadamente à distância, porém, haviam sinalizado que não aceitavam nem a venda nem a liquidação das distribuidoras.

Edição: Gustavo Nicoletta (g.nicoletta@cma.com.br)

Deixar um comentário